Home»Podcast»Decrépitos 72 – Malandramente

Decrépitos 72 – Malandramente

12
Compartilhamentos
Pinterest Google+

episodio-72

Bom momento, malandrílsons do Brasil! Tá no ar mais um garboso episódio do podcast que é mais mané do que malandro!

Hoje Daniel Bayer,  João Carvalho e Rafael Mordente falarão sobre um assunto que o brasileiro entende bem: TRAMBIQUES!!!

Você vai querer comprar um telão pela internet, vai precisar ligar para a Polícia dos Cavaleiros do Zodíaco e vai trocar muitas coisas no ESCAMBINHO DA GALERA™ do bairro.

Então pegue o fone de ouvido do amiguinho e se prepare pra participar de um plano infalível pra roubar as provas da escola!

OUÇA OU BAIXE:

ALTA 96 KBPS MÉDIA 64 KBPS ZIP 96 KBPS

Duração: 1 hora e 23 miniaturas de toalhas de mesa.

 ARTES DOS FÃOS


OFERECIMENTO: SAPIENS SOLUTIONS

  • Hospedagem
  • Web Sites
  • Loja Virtual
  • Softwares

Avenida do Contorno, 2905, Conjunto 405 – Santa Efigênia – Belo Horizonte – MG

 (31) 3236 – 1414 – www.sapiensolutions.com.br


SEJA NOSSO PATRÃO!

CRÍTICAS, PITACOS, OPINIÕES E SUGESTÕES!

Comenta aí no post ou manda um e-mail pra gente: [email protected]

SIGA A GENTE POR AÍ

FEED

Assine o nosso Feed ou adicione o Decrépitos no seu iTunes

Post Anterior

Decrépitos 71 - Sdds Seleção Canarinho

Próximo Post

Decrépitos 73 - Bastidorzão Linguiça 5

16 Comentários

  1. fscoparo
    19 de julho de 2016 at 00:51

    Que delícia de podcast

  2. Luis Gelati
    19 de julho de 2016 at 01:39

    Só comentando que João Havelange está vivo e ostentando seus 100 anos de idade.

  3. João Rafael Fernandes Prearo
    19 de julho de 2016 at 03:57

    Estava sozinho em casa, meus pais estavam viajando, só eu e meu cachorro. Devia ser uma hora da manhã, um baita silencio escabroso. Meu cachorro começa a latir, fui olhar pela janela e ouvi um barulho perturbador no jardim. PUTA MERDA ESTOU ASSALTADA. Porem, embora meus ouvidos delatassem algo anormal, meus olhos nada viam (devia ser algum gato). A paranoia durou mais uma meia hora regada a mais sons bizarros, idas e vindas entre cômodos nas pontas dos pés e meu cachorro latindo e olhado para o nada (e alem). ENTÃO, COMO UM ANJO, LA VEM O MENINO DECRÉPITO COM SEU EPISÓDIO NOVO. Tudo esta bem novamente. Decrépitos é amor, Decrépitos é vida.

  4. Vinicius Camargo
    19 de julho de 2016 at 11:49

    Finalmente alcancei os episódios semanais, foram 71 episódios que fizeram minha alegria aqui na contabilidade.

  5. Willi Wonka
    19 de julho de 2016 at 15:25

    Assim como o João, eu tbm queria ter super poderes quando criança. Na verdade até hoje eu me imagino ter super poderes.

    • PalmirinhaRadical
      19 de julho de 2016 at 19:12

      os meus envolviam invisibilidade e nudez, era muito levada

      • Willi Wonka
        19 de julho de 2016 at 19:29

        Eu só queria telecinese… Pra pegar o controle de longe e explodir cabeças, não é pedir muito.

        • PalmirinhaRadical
          19 de julho de 2016 at 19:48

          Ai que horror, menino. Mas que controle? do megadrive?

          • Willi Wonka
            20 de julho de 2016 at 11:21

            Controle da vida…

  6. PalmirinhaRadical
    19 de julho de 2016 at 16:16

    O huguinho me lembrou que eu sou suzi e não estou na pracinha. Nem a gazeta me tratava tão mal…

  7. DiQuintino
    19 de julho de 2016 at 21:58

    Caras, ri demais do caso da toalha. Tinha uma lista no buzzfeed com esses golpes, recebi há algum tempo e fiquei com preguiça de procurar 🙂

    Mas olha esse do mês passado: http://bit.ly/Almofadada

    Abraço “procês”

  8. André Luiz
    20 de julho de 2016 at 00:36

    Depois que descobri o decrépitos, Nerdcast perdeu a graça!

  9. GAAP
    20 de julho de 2016 at 21:36

    Porra, o João nem falou de sua experiência escolar, Bayer e Mordente dominaram e não houve um contraponto sobre a vida estudantil. Queria ouvir o lado estudioso da história. :/

  10. Gustavo Feitosa
    22 de julho de 2016 at 14:17

    Certo dia, em meados dos anos 90, abri meu cheetos e me deparei com um tipo inédito de tazo, era um com adesivo holográfico. No dia seguinte ostenteio-o perante meus colegas de escola, até que recebi a seguinte proposta, trocar aquele misero pedaço de plástico com adesivo holográfico em um ATARI!!! Para firmar a negociação bastava apenas a autorização da mãe do menino, que logicamente disse que NÃO! Fiquei muito tliste, muito tliste.

  11. Mundo Grindx
    25 de julho de 2016 at 16:55

    Na fera do rolo da minha quebrada você ainda acha Kolynus.

  12. Wesley Zoppe
    27 de julho de 2016 at 11:18

    Olá Decrépitos, já fui passado pra trás algumas vezes, contarei apenas 3 delas:
    1ª Sou de Americana/SP e fui pra Sampa a trabalho e do lado da estação Consolação, e tinha um casal que me abordou e contou uma história comovente e pediram dinheiro pro metrô, comovido, eu ajudei. Alguns meses depois, voltei lá e ainda estava lá o casal pedindo dinheiro com a mesma história. Concluí que eles “trabalhavam” dessa forma ou que era um casal muito azarado.
    2ª Eu estava na cidade de Piracicaba/SP, e em um semáforo veio um cara vendendo livros pra colorir, começou em R$10 e enquanto eu negava ele foi baixando, quando eu ainda negava em R$5 ele disse: “Me dá umas moedas ao menos pra um cafézinho” e eu pensei – “R$2 paga o café e levo o livro que era R$10”, muito bem, dei os R$2 e ele pegou e foi embora sem me dar o livro, afinal ele pediu pro café, não era pra venda do livro. Por isso que digo que o mané é aquele que tentou ser malandro em cima do malandro que se passava de mané.
    3ª Não tive a mesma sorte do querido decrépito em relação a bicicleta, na época dos meus 9 anos eu era um colecionador maníaco de álbuns, seja este o de ping pong, ou de copa do mundo 90, eu tinha 3 álbuns completos. Pois bem, um “amigo” meu me ofereceu a seguinte troca: Um álbum completo da copa e mais Cr$50 por uma bike bmx amarelae peças de uma caloi 10. Aceitei na hora!! Dois dias depois veio um moleque acompanhado de seu pai e de um policial pegar de volta sua bmx na minha casa, expliquei o mal entendido, mas nunca mais fui bem visto pela família desse moleque.

    Desculpe pelo livro,